Aldeias

Muralhas e Portas da Vila

Trancoso

Trancoso

Embora a sua construção recue, pelo menos, ao séc. XII, a cerca amuralhada hoje existente é o resultado da ampliação efetuada pelos reis D. Afonso III e/ou D. Dinis (1248-1325). No reinado de D. Fernando, foi amplamente reformada com a construção de muros e torres e, ao longo dos séculos, foi alvo de reparações mais ou menos avultadas, sendo, por isso, difícil atribuir uma datação precisa aos vários elementos que a constituem. Deste modo e apesar das demolições perpetradas nos sécs. XIX e XX, o antigo núcleo urbano de Trancoso está ainda hoje delimitado, em quase toda a sua extensão, pela imponente cintura de muralhas medieval. Para além de algumas das torres, conservam-se, também, três das quatro portas principais (Portas d’El Rei, Portas do Prado e Porta do Carvalho), assim como as duas portas secundárias (Porta da Traição e Olhinho do Sol) e um postigo (Boeirinho). As Portas d’El Rei e as Portas do Prado são as mais imponentes, estando enquadradas por duas robustas torres, e a Porta do Carvalho é encimada por uma figura escultórica que muitos consideram ser o lendário cavaleiro João Tição. A cerca amuralhada foi classificada como Monumento Nacional em1921.